27 janeiro 2014

[Sebo do Wes] Retrospectiva “Retrospectivosa”


"We have to go back..."

Bem vindos ao Sebo do Wes, senhores. Antes de tudo, desculpem o hiato de postagens. No final do ano eu entrei de cabeça em um concurso de desenho (Brazil Mangá Awards) e parei minhas atividades em TODOS os sites que escrevo. Só agora terminei e estou voltando às minhas atividades, tanto na internet quanto no Sebo mesmo. E nada mais justo do que uma retrospectiva de algumas postagens do ano que se passou, falando dos álbuns mostrados por aqui e seus destaques musicais. E lá vamos nós!!!


Não tenha duvidas que é o ótimo exemplo de um jogo mediano com uma trilha incrível. Inúmeras guitarras pesadas, efeitos sonoros interessantes, e vocais diferenciados, mas bastantes empolgantes. O único ponto baixo do álbum a meu ver foi terem separado faixas instrumentais, sendo que poderiam ter mesclado junto das faixas com voz (como muitos álbuns fazem). A “I’m My Own Master Now” se destaca facilmente no álbum, sendo a minha favorita.


A mescla perfeita de um jogo formidável com uma trilha que complementa maravilhosamente a experiência. O álbum possui tanto musicas de frenesi western impecáveis quanto musicas ambiente para te acompanhar enquanto se desloca com seu alazão por cidades, te fazendo acreditar que sim, estamos no Velho Oeste, mascando feno e afins. Desde que joguei e ouvi a musica, cantarolei “Compass” infinitamente. A Rockstar sabe escolher musicas com vocal, não tenha duvidas.

Antes de qualquer coisa, sou uma “Total Bitch” da franquia Bioshock, e Bioshock Infinite não me deixou na mão, muito pelo contrário. Me segurou a mão e me jogou em Columbia com perfeição. E não só pela famosa trilha imersiva, cheia de detalhes e sons mecânicos de Garry Schyman, mas também pela trilha licenciada para o jogo, que nos inseriu mais ainda no contexto do jogo (no qual se eu revelar, seria um SPOILER). Inúmeras musicas me trazem emoções, mas “The Songbird” me mostrou que o jogo é formidável e apavorante ao mesmo tempo. 


Não é segredo que adoro musicas orquestradas, e também não é segredo que não fui em nenhuma Video Games Live (ainda, senhores, ainda...). Logo eu sacio meu desejo orquestral ouvindo esses álbuns, e o segundo álbum da coletânea de musicas da London Phillarmonic Orchestra fazem seu dever de casa de forma magnânima. Curioso que a “FEZ – Adventure”, que originalmente é uma musica em chiptunes ficou excelente, e afirmo que até melhor que a original nessa versão orquestrada. Ela é até mais motivadora dessa maneira. A propósito, recomendo fortemente o jogo.


Nunca é demais relembrar dos parceiros brazucas do conglomerado Violão de 8 Bits, que ou ajudam colaborando no próprio site, ou mandando excelentes arranjos de musicas que nos fazem chorar em nostalgia. Ouvi falar da banda no finado Now Loading e sempre acompanhei o belo trabalho dos caras, e nesse álbum arranjos de Chrono Trigger e Super Metroid estão em alta. E como não ficar assustado com “Super Metroid – Boss”!? Aquela atmosfera de tensão e medo do chefe estar vindo está lá, mesmo com mudanças aqui e acolá...tenha medo!


Esse álbum eu apresentei no Sebo em 2012, mas vale a menção honrosa pelo fato de não ter jogado o jogo na época, e pela grata surpresa de ver um belo trabalho em matéria de arranjos. As musicas originais já nos permitiam saber que instrumentos estavam sendo emulados pelo console, mas ao transmitir a mesma musica com instrumentos de verdade, e com adições extremamente válidas, tornou a musica mais rica do que já era. Comparem a linha de baixo da “Theme Song” do álbum com a original e entendam o que estou dizendo.

Eis um pequeno resumo do que houve no ano passado, e aguardem, pois coisas boas foram ouvidas nesse meio tempo de hiato criativo. Na duvida, se não for pedir demais, acompanhem o @v8bits no Twitter para seguirem de perto as atualizações tanto do Sebo quanto dos membros desse conglomerado formidável.

1 comentários:

Elton 28 de janeiro de 2014 16:51  

Só descobri o blog recentemente, mas seu trabalho é ótimo!
Vou me tornar frequentador!