14 agosto 2013

[Sebo do Wes] 8 Bit Instrumental – The Number of the Bit




Tenho orgulho em falar da primeira banda de game music que ouvi na vida nessa postagem. Bem vindos ao Sebo do Wes, em uma postagem mais do que especial.

Como citei acima, o modo que eu conheci a 8 Bit Instrumental foi bem ao acaso, pois em procuras por matérias de games, em muitos anos atrás (chuto uns 4,5 anos), me deparei com o finado podcast NowLoading. O episódio era meu primeiro podcast na vida, e o segundo episódio musical, e nele tinha um dos membros da banda, o Cheba. Desde então, eu corri atrás das musicas e dos álbuns da banda e não tive arrependimentos. E pro conta destes dias ter voltado a ouvir a banda, falo hoje de um excelente álbum (mencionado no Conglomerado Violão de 8 Bits por diversas vezes), chamado The Number of the Bit.

Playlist, cabron:

01. Atari Age
02. Alex Kidd
03. Chrono Trigger - Main Theme
04. Chrono Trigger - Frog
05. Bomberman
06. Chrono Trigger - Wind Scene
07. Chrono Trigger - Secret of the Forest
08. Super Metroid - Berinstar
09. Zelda
10. Streets of Rage II
11. Super Metroid - Main Theme
12. Super Metroid - Brinstar
13 .Super Metroid - Boss
14. Chrono Trigger – Battle


A “Atari Age” é uma grande homenagem aos tempos onde apenas barulhinhos simples entoavam todo o jogo. Alem dos barulhinhos seguirem toda a musica, dando aquele charme, os arranjos da guitarra acompanhando a musica são bem legais, mesmo senod arranjos até simples, comparados a outras musicas. Inclusive o link da musica é uma gravação da banda em estudio, mostrando os caras e tudo mais. Vale a pena até para conhecer os rostos da banda. A variedade de ritmos da “Alex Kidd” me deixou bem surpreso, mesmo para pessoas que conheçam poucos temas do jogo, que foi meu caso. A primeira parte, com algo bem circense e jovial foi uma bela introdução, seguida da parte da ‘fase da àgua”, com algo beeeem relaxante, quase zen. Contudo a parte final é a melhor, pois me lembrou bastante musicas de desenhos animados, com a guitarra sem distorção alguma regendo a musica. Para ver que nem sempre firulas são necessárias para se atingir uma qualidade bacana.

Há certas musicas que não precisam ser reinventadas para continuarem a ser formidáveis, e a “Chrono Trigger  - Frog” faz jus a isso. Tanto é que a musica é simplesmente o tema tocado de maneira bem fiel, porem apenas com um violão, o que torna algo simples bastante belo. E mais uma vez, a competência do arranjo é incontestável. A “Bomberman” tem até uma linha parecida quanto ao lance de ser fiel, porem achei bacana os arranjos novos que foram incluidos no meio da musica, com alguns solos novos. É valida essas adições, até mesmo para dar um pouco mais de tempo à própria musica. Falando em adições, eu PRECISO citar “Super Metroid - Berinstar”, pois achei uma sacada genial pegar um tema recorrente da série Metroid e incluir um tipico instrumento da cultura brasileira, o berimbau. O inicio é uma intro bacana, pois mostra a musica original tocando baixinha, seguida de uns toques do berimbau, culminando praticamente em uma roda de capoeira no meio da musica. Afirmo que é uma das minhas favoritas do album, principalmente pela sacada de mestre.

Apesar de ter mais arranjos da série, preciso focar em duas musicas específicas agora. A “Super Metroid - Main Theme” começa com um suspense tipico do jogo, e para quem jogou no Super Nintendo que a intro é realmente misteriosa. Fazer isso na bateria com leves toques na guitarra foi uma boa saida. E como depois do suspense vem o tapa na cara, a guitarra começa a tocar forte daqui em diante, e mesmo pelo fato de que não há mudanças tão drásticas quanto ao arranjo, a guitarra ganha destaque muito facilmente, emendada da igualmente poderosa bateria. Notem ao fundo uma espécie de vocal lírico, que dá aquele gostinho de formidabilidade no ar. E a outra musica, que eu considero a minha favorita de longe é “Super Metroid – Boss”. Até entendo se sentirem certa estranheza na escolha, sendo que há bastante outras musicas icônicas na playlist,e pelo fato da musica original ser bem curta e até mesmo “simples”. Porem o impacto que a musica original causava foi extremamente bem reproduzido nessa versão, e pelo fato da musica ser sempre pesada deu um toque a mais nesse sentimento. o lance de terem reproduzido a falta de padrão na musica tambem foi uma sacada ótima, e é como o Cheba disse na ocasião que ouvi essa musica no NowLoading: é impossivel ficar batendo o pé para acompanhar o ritmo dessa musica. E de fato é mesmo. Atentem para o final da musica, diminuindo o ritmo pouco a pouco. Pequenos detalhes que fazem a diferença.

Para fechar, alguns adendos para que o pessoal não me bata. O “Chrono Trigger - Main Theme” pelo simples fato de terem sido fieis à musica, mesmo usando merreca de distorção, o que fez que a magia da musica permanecesse. E a “Zelda”, que não é a Zelda Merda do Jornal da Globo (IBAGENS aqui) também ganha pontos por terem mantido as batidas originais do tema “Overworld”, que meio mundo conhece, e tambem por terem incluido uma introdução lenta bem bacana. Alias o link tambem é “ao vivo”, da banda tocando no estudio. Há outras musicas bacanudas, e outros albuns mais bacanudos ainda da banda, eu recomendo acessarem o link do VGMDB abaixo e correr atrás dos outros albuns, pois alem de ser uma banda competente, os caras são do Brasil. Desde já merecem a apreciação.

Fonte: VGMDB

0 comentários: