28 fevereiro 2013

[Sebo do Wes] Red Dead Redemption Original Soundtrack





E agora sei que o único compasso que preciso é aquele que me leva de volta a você. Sua linda. Opa, bem vindo ao Sebo do Wes, forasteiro.

Ando em um ritmo de ócio na madrugada tão proveitoso que andei zerando alguns jogos no PS3 e PC, jogando inúmeras demos e conhecendo por tabelas inúmeras musicas, além de álbuns formidáveis que não havia me atentado antes. E um deles foi um dos maiores êxitos da Rockstar nessa geração. OH SIM, hoje falo sobre Red Dead Redemption Original Soundtrack, composta em grande maioria por Billy Elm e Woody Jackson.

Playlist, cabron: 


01. Born Unto Trouble
02. The Shootist
03. Dead End Alley
04. Horseplay
05. Luz Y Sombra
06. El Club De Los Cuerpos
07. Estancia
08. (Theme From) Red Dead Redemption
09. Triggernometry
10. Gunplay
11. Redemption In Dub
12. Muertos Rojos (aka The Gunslinger's Lament)
13. The Outlaw's Return
14. Exodus In America
15. Already Dead
16. Far Away
17. Compass (Red Dead On Arrival Version)
18. Deadman's Gun
19. Bury Me Not On The Lone Prairie


Em primeiro lugar, a fluidez das musicas do álbum me dificultou em certos momentos de diferenciar certas musicas. É tão fluido que fica difícil saber quando uma musica acabou se não ficar olhando a playlist com afinco. E também por inúmeras musicas terem efeitos sonoros parecidos, sendo diferenciadas pela inclusão de certos instrumentos, como a minha musica favorita instrumental, “Triggernometry”. O som que se repete em outras musicas é a linha de baixo, porem aqui o destaque é a bateria que nunca sai do tom, e dá um ritmo mais acelerado à ela, principalmente no momento onde os pratos são usados com mais intensidade. Há momentos bem interessantes, como trompetes se destacando e bongôs entrando na musica ao fundo. No “The Shootist” também há a linha de baixo, mas o destaque vai para o destaque nos assovios no inicio e durante a musica, seguida da típica gaita melancólica dos filmes westerns que tanto gostamos. E com a mesma linha de baixo, que inclusive é ótima nos momentos de tiroteio no gameplay, temos “Horseplay”, que ganhou meu coração pelas vozes ao fundo em praticamente toda a musica. Não sei se é de algum filme específico, mas lembro que todo o filme western spaguetti tinha algo do tipo. Até mesmo o Django Livre, filme recente do Quentin Tarantino, e que fica até de dica para os que curtem essas homenagens feitas pelo Taranta a certos estilos cinematográficos.

Deixando para lá essa linha de baixo formidável, há outros instrumentais maneiros, como o “Dead End Alley”, onde o violoncelo é abusivo na sua melancolia bela. Nem precisava de adição de mais coisas, o instrumento já resolve todo o sentimento que a musica quer passar, e consegue. A “Luz Y Sombra” também abusa da melancolia, porem tem um ritmo mais acelerado se comparada à musica precedente. O lance dela causar melancolia ao meu ver é o tom baixo dos instrumentos, principalmente o baixo, o chocalho que vez ou outra aparece, e o trompete que dá aquela impostação bacanuda. E fechando o paragrafo da melancolia, “Estancia” e seu violão regendo a musica, acompanhada de uma bateria em segundo plano fazem a gente ficar até meio tristonho. Se forem lembrar-se do final do jogo então...

A parte que mais gostei do álbum, e boa parte dos que jogaram compartilham a minha opinião, que são as musicas cantadas. Um destaque é a “Far Away”, que tem um vocal tão maneiro do José Gonzales aliada ao violão que não sai do tom. Provavelmente sem o vocal a musica não teria ganhado minha curiosidade. Porem uma musica que teve minha curiosidade, mas que agora tem minha atenção é “Compass”. SEM DUVIDAS a musica que mais ouvi e a minha favorita cantada, pois além de ser uma ótima musica, é uma bela declaração de amor, além de ser trilha de um momento chave no jogo, que não contarei senão perde a graça. Fechando a parte vocal, “Bury Me Not On The Lone Prairie” é algo curioso pois é mais uma recitação de um poema dada a beleza da musica. É como aquelas rodas onde amigos ficam cantando musicas sem qualquer instrumento, apenas com as cordas vocais se fazem entender. Interagir em um mundo com musicas assim é fácil.

Um veredito que dou é que é um álbum com poucas diferenças em muitas musicas, mas é uma ótima ferramenta auditiva para a indução da imersão no jogo. Musicas que normalmente não são tão excelentes se ouvidas separadas tendem a funcionar melhor no game play. E falando em gameplay, clicando AQUIvocês vão para uma matéria onde o dono do sebo fala sobre o jogo em si, e clicando AQUI serão levados para o quarto ao lado, onde o Bit Studio #12 fala mais sobre a trilha comentada acima. 

Fonte: VGMDB 

2 comentários:

Marcos Melo 5 de março de 2013 10:55  
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Melo 5 de março de 2013 10:57  

Também curti muito a trilha de RDR. Minhas faixas preferidas são Horseplay e Triggernometry, que tem um destaque grande no baixo.