21 junho 2012

[Sebo do Wes] Final Fantasy VI Original Soundtrack


 
Bem vindos ao Sebo do Wes, senhores, senhoritas e Moogles. Quase recebo um embargo grave do Imperador Gestahl, contudo obtive um alvará de um palhaço bem curioso e meio medonho. Enfim, voltemos às atividades.

Apesar de atrasos das postagens, já estava convicto que a próxima obra a ser amostrada no Sebo seria algo Old-School, só estava “empacado” no sentido de qual obra escolher. E olhando publicações passadas, eu vi um sacrilégio: eu ainda não havia falado sobre a melhor trilha sonora de uma das séries que mais venero. Se “pescaram” as referências acima e não leram o titulo, adivinharam: Final Fantasy VI: Original Soundtrack é a bola da vez no Sebo.

Como a playlist é composta por 3 CDs e ficaria extenso redigir a mesma aqui, preferi deixar ela no link da fonte para melhor apreciação. É bem pessoal, mas adoro o tema de aventura que a “Locke” proporciona, principalmente por ela se encaixar no personagem. Falando em musicas que se encaixam nos personagens, a “Kefka” é outra IMPOSSIVEL de não ser citada. Tanto por ela se encaixar no perfil “Harlequim maléfico” do vilão, quanto pela musica retratar bem essa faceta, com o início meio circense. Ok, não ignoro o fato do Juunin ser muito paga-p...digo, apreciador dessa musica. E “Shadow” é um tema que muito me surpreendeu, tanto por ela ser boa, quanto por ela ter a função de apresentar a personalidade solitária do personagem. Os toques meio Western ajudam nessa imersão ao personagem.

Uma característica importante nessa obra é que o Nobuo Uematsu soube sintetizar bem vários temas de personagens e também musicas que se encaixam bem no cenário e/ou contexto delas. Por exemplo, “The Veldt” retrata uma área de mesmo nome, recheada de animais selvagens (e um personagem de selvageria equivalente), então foi uma grande sacada inserir tambores meio rústicos e com uma pegada meio africana. A “Dark World” é o tema tocado quando há a catástrofe onde o planeta é seriamente modificado, e toca um órgão fúnebre, acompanhado de um violão e vez ou outra, por um sino bem contido, mas necessário. É comum ouvirmos essa musica dentro do jogos e nos perguntarmos se “este mundo ainda tem salvação?”. E aí vem a “The Day After”, que toca comumente em cidades após este acontecimento. Eu a destaco, pois ela começa melancólica, mas ela cresce de um jeito que se torna altamente motivadora, alem de muito bela. Eu a classifico como uma das melhores musicas de cidade da série Final Fantasy, juntamente com a clássica “Kids Run Through the City Corner”, que já possui um ritmo de calmaria, típico de cidades pacíficas.

Emoções fluindo é o que não faltam em outras trilhas, sejam boas ou tristes emoções. A clássica “Terra” é um exemplo, pois alem de ser o tema da protagonista, a musica traz uma carga motivacional forte, mesmo sendo uma musica até bastante humilde. Particularmente, gosto da musica, mas no jogo ela se repete demais, e isso me atrapalhou um pouco na hora. A “Searching for Friends” é totalmente alegre e te motiva a fazer o que o nome sugere, procurar seus amigos. Essa flauta sintetizada que rege a musica é o chamariz da faixa, principalmente pela harmonia dela. Uma ótima musica para Airships. E caindo para a tristeza comovente, “Forever Rachel” é tema da Rachel (duh!), antiga companheira de Locke, e a musica toca nos seus momentos finais de vida. Ela não é jogável, mas o tom meloso da musica faz com que nos importemos com ela. Confesso que a lagrima quase caiu na hora....sério...

Agora é chegada a hora de musicas FORMIDAVEIS. Para veteranos de FFVI, sabem que a Opera’s House é uma localidade muito importante a ser passada. E nesse local, é necessário que escutem a ópera, composta pelas musicas “Opera Overture”, “Aria di Mezzo Carattere” e “Wedding Waltz Duel”. O primeiro ponto importante é a capacidade em simular instrumentos típicos em ópera e concertos da vida, de modo que a gente crê de fato que são instrumentos. E outro ponto foi a “emulação” de voz inclusa nas faixas, sendo possível que a Opera fosse de fato “cantada”. Aliás, recomendo fortemente as musicas interpretadas no concerto “Voices of Final Fantasy”, onde instrumentos e tenores REAIS fazem a nossa alegria, interpretando esses clássicos (clicando aqui e aqui, em seguida). E outra clássica que não pode ser esquecida é “Dancing Mad”.  É importante salientar que em muitas trilhas, ela é dividida em algumas partes, devida à sua extensão (o link é a versão completa). Ela retrata a ultima batalha contra Kefka, e ela é dividida em 4 partes, e em cada parte há segmentos e ritmos diferentes. Por exemplo, o começo é beeeem lento, guiado por um órgão e sinos batendo ao fundo, e conforme ela avança, ela vai aumentando o ritmo, até que no meio dela vira frenética. E na parte final e derradeira, ela volta a ficar lenta, trazendo os sinos novamente para a musica, e fechando a mesma. Melhor musica de chefe final da série (opinião compartilhada por muitos, inclusive).

Para adendos finais, eu PRECISO destacar as musicas “Battle Theme”, “The Decisive Battle” e “The Fierce Battle”, que para mim são a tríade das musicas de batalha, principalmente a “The Decisive Battle”. E também a “Ending Theme”, que para mim começou bem a tendência de encerrar jogos fazendo pequenos medleys de temas já inclusos no jogo, incluindo a formidável “Edgar & Sabin”, que quase me esqueço de citar, alem de outro tema que os apreciadores de Final Fantasy irão reparar (só ouvindo para saber :3). Com isso, encerro a minha postagem sobre esta trilha, que acompanha o melhor jogo da série, para mim, o dono deste sebo.

Fonte e Playlist completa: VGMDB

7 comentários:

McSundaeGuy,  21 de junho de 2012 23:56  

Suponho que essa trilha não seguiu aquele famigerado método de compor do Nobuo, onde ele fazia as músicas e os designers depois criavam situações pra encaixá-las, né? xD

Eu consigo acreditar que aquilo foi verdade nos jogos anteriores, mas nesse seria MUITO ASSUSTADOR.

Cada faixa se encaixa tão perfeitamente com seus respectivos "Leitmotifs", só se TODO o jogo tivesse sido feito a partir trilha. hehe

É até divertido sair ouvindo uma-a-uma e dizendo o que cada faixa simboliza.
*momento triste, solidão, exploração, batalha, etc.*
Muito expressiva, a máxima de "o jogo não sobrevive sem a trilha, mas a trilha sobrevive sem o jogo." ;)

Lacrimejei, post FENOMENAL.
Jogos e trilha inacreditáveis, deve é ter sido difícil escolher as músicas pra comentar, tanta coisa a ser dita... ^^

Wesley Pires 22 de junho de 2012 00:21  

@McSundae
Tme toda a razão. São 3 CDs e inumeras trilhas. Para começar, cada personagem tem sua propria trilha, ai já complica demais as escolhas. Tive que sintetizar bastante (esse foi outro motivo de eu omitir a playlist da postagem).
Se tiver um celular/portatil ou ate mesmo um pc para rodar o emulador de SNES, e se tiver animo paa RPGs de turnos, recomendo jogar, pois alem de ser um ótimo jogo, dá para entender melhor os contextos das musicas, que tentei explicar.

Marcos Melo 22 de junho de 2012 12:24  

Realmente a trilha de FF6 é a obra prima de Nobuo Uematsu, e acho que muitos concordam com essa opinião.
A minha faixa preferida (a que toca no media player que tenho cabeça) é The Fierce Battle, que junta num tema só um terror absurdo e uma ponta de coragem para vencer as batalhas mais difíceis.

Belo "poste", Wesley!!

Wesley Pires 22 de junho de 2012 12:48  

@Marcos
Wesley, o eletricista, hahahahaha

Marcos Melo 22 de junho de 2012 14:12  

@Wesley
Acho que isso dá um bom desenho...

Alexei Barros 22 de junho de 2012 15:48  

Tanto essa trilha é o ápice do Nobuo Uematsu que, em uma dessas famosas declarações, ele disse que poderia se aposentar depois de tê-la concluído. Creio que você conseguiu pegar todos os temas que eu julgo melhores desse trabalho, o que não é fácil, dada a quantidade absurda de composições marcantes. Difícil é achar uma música ruim ou que não combine com o jogo.

Interessante o que você disse sobre o toque de velho oeste no tema do Shadow. Não tinha parado para pensar nisso. É uma decisão meio curiosa para sintetizar a personalidade de um... ninja, não é? Curioso também como o tema do Cyan tem um pouco dessa pegada.

A maneira como os temas de personagens são emendados na “Ending Theme” é uma coisa fabulosa. Só acrescentaria menções a outras músicas menos comentadas e mostram como o Nobuo Uematsu foi bastante eclético, como a "Johnny C Bad", pelo rockabilly, e a "The Magic House", pela influência do estilo barroco.

Wesley Pires 23 de junho de 2012 17:01  

@Alexei
Bem lembrado, Alexei. A menção ao Rockabilly na J.C.B naop se restringe apenas no nome, hahaha. Isso apenas confirma que nessa obra o Nobuo nao se restringiu à apenas uns instrumentos ou ritmos.